quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

É Natal, cum caneco!

Parece que no dia de amanhã se celebra o nascimento de um catraio que veio a inspirar muita mudança no mundo! Os parabéns à família, aos crentes, não-crentes e descrentes, ao burro e à vaca também. 

De resto, tratem-se bem que 2016 está quase ai. 

Deixamos-vos um belo momento musical/natalício dos Canadianos Walk off the Earth.



Felicidades!



quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Nas Asas da Poesia - Bonito Serviço 2

Vim da anilha alhada em pólen
O plástico é ninho de centopeias
Onde nascem as bactérias do cólon
Arborizam ramadas de gotas cheias

Estou num parafuso embrulhado
Abrindo intempéries de caracol
Onde colmeias orvalham piado
Cinzeiro luz nesga de girassol

Vidro entroncado p´ra furar rio
Transpirando metal platinado
Sou a flora na face d´um fio
Um sobreiro emoldurado

Envasarei florestas em botas
Escutarei abelhas onduladas
Alaparei profundas bolotas
Num silvado de enxurradas

E quando o pimento queimar
Cristaleira em caruma de chão
Os vermes irão colonizar
As magnólias da minha mão


Paulo D. de Sousa

Sorteio de Natal - Resultado

É com grande entusiasmo que o Opina - Espaço de Divulgação Cultural anuncia que a vencedora do sorteio de Natal é: Madalena Brito!

Parabéns Madalena! Ganhaste um "Heróis à Moda do Algarve!"


























A todos os participantes o nosso muito obrigado e os desejos de um Feliz Natal da parte da equipa do Opina!




sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

O Surto

Título – O Surto
Autor – António Limpo
Editora – Obnósis Editora
Data de edição – Março 2015


“O Surto” de António Limpo é uma obra de ficção pós-apocalíptica que transporta o leitor para… Lisboa. É verdade, o desafio de leitura que o autor nos propõe, exige uma viagem no imaginário, mas nem tanto no tempo e no espaço.

Assim, a história deste livro começa numa Lisboa contemporânea, igual em tudo à Lisboa real até ao fatídico dia 8 de Setembro, dia em que uma doença mortal atinge a cidade. A partir desse momento acompanhamos alguns sobreviventes enquanto estes veem os seus entes queridos, colegas de trabalho e desconhecidos morrerem, sem aviso, à sua volta. A morte é, aliás, omnipresente nesta narrativa pintada a vermelho e cinza.

Imagem 1: "O Surto" de António Limpo

O dia inicial da narrativa presenteia-nos com este choque de realidades, causado pelo “rebentar” da epidemia e, aos poucos, vamos conhecendo os personagens, as suas histórias, e com o passar do tempo, acompanhamos os efeitos pós-epidémicos da doença que transforma os infectados em zombies com clara má vontade para com os imunes, e capazes de transmitir a doença através de dentadas e outras demonstrações de afecto.

A narrativa prossegue ao longo dos meses subsequentes à infecção e leva-nos a percorrer vivências que não se conhecem na Europa há séculos, possivelmente, desde o século XIV com o advento da peste negra, e onde António Limpo nos descreve de tudo, desde amizades improváveis e momentos de sacrifício pelo seu semelhante, ao lado mais pérfido da natureza humana, com o estabelecimento de grupos de canibais que torturam as suas vítimas para obter informações antes de as matarem e consumirem.

Vídeo 1: Book trailer de "O Surto", no Youtube

Apesar das dificuldades inerentes a este cenário caótico, e não sem sofrer baixas, um pequeno grupo de sobreviventes consegue lançar-se ao mar numa embarcação tomada de assalto em pleno Tejo, rumo aos Açores, onde acreditam existir a possibilidade de encontrar outros sobreviventes e uma esperança de futuro. 

António Limpo apresenta um conceito de literatura fantástica/de ficção que, não sendo nova ou inovadora, é ainda muito pouco explorada pelos autores nacionais e da Lusofonia. “O Surto” tem o mérito de proporcionar uma leitura capaz de prender quem o lê, muito devido ao ritmo rápido, quase cavalgante, com que a narrativa avança, à ambiência cinzenta, sufocante e claustrofóbica criada pelo autor, e pela familiaridade introduzida pelas descrições de vários locais em Lisboa por onde o enredo ziguezagueia, enquanto os sobreviventes tentam fugir de uma cidade fantasma habitada por zombies.

De relevo, é ainda, o final aberto que nos aguça a curiosidade para uma futura continuação, desta vez, advinha-se, na margem Oeste do Atlântico.

Classificação:






Nuno Soares

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Sorteio de Natal - Heróis à Moda do Algarve

Para celebrar este natal com os nossos leitores o Opina está a sortear um exemplar do Heróis à Moda do Algarve, aquele fantástico livrinho que nos conta, com largas doses de boa disposição, um pouco mais sobre como se fala no Algarve e o que de fantástico se passa neste canto tão marafado do nosso país. 



Assim, quem quiser participar e habilitar-se a receber na sua caixa de correio um Heróis à Moda do Algarve, pode fazê-lo em 2 passos:

1 - Fazer "gosto" na página de Facebook do Opina - Espaço de Divulgação Cultural.

2 - Gostar deste post e comentá-lo, identificando amigos.

O concurso é válido até às 23:59 de 23 de Dezembro de 2015, para residentes em território nacional. O resultado do concurso será publicado no blog, na página de Facebook e por mensagem privada ao vencedor. 

Boa sorte marafades!


OPINA

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Crónica Social - A noite escura da Alma

Viver não é um exercício fácil.                                                                                                                                                                                                                                                            
Em tempos conturbados e incertos de violência extrema, conflitos alastrados, terrorismos e governanças globais invisíveis fica difícil seguir por uma pauta segura. Acrescem os paradoxos, os dilemas e as guerras internas que têm feito parte do ser humano e do viver nas sociedades.                                                                                                                                                                  
Sobre estas últimas tenho algumas convicções, construídas em contacto com aprendizagens várias, com os meus próprios sofrimentos e alegrias e também em interacção humana e profissional com os sofrimentos e as alegrias de muitas outras pessoas. E, para muita gente a vida não tem manual nem se ensina.                                                                                                                                                                                                                                                                                        
Existem períodos da vida, às vezes vidas inteiras, em que a alma está imersa em noite escura. Sem clareiras, sem esperança, sem futuro(s), habitada por sombras e espectros, guerras e ódios, errâncias, tristezas, amarguras, desilusões ou vazios. Mais ou menos disfarçados. As pessoas e as suas circunstâncias são muito variáveis e podem utilizar uma enorme paleta de comportamentos e emoções. Mas tendo a achar que no meio de toda a diversidade é decisivo o SENTIDO que damos ao que estamos a viver.                                                                                                                                                                                                                                                                          

                                                                                                                                                   
- Como me defino? Qual a dimensão do meu problema? Eu sou o meu problema, ou existo para além dele? Como encaro as minhas circunstâncias? Como me projecto no futuro?... Não me refiro aqueles inevitáveis pequenos problemas do quotidiano para os quais quase sempre arranjamos solução. Em regra adaptativa.                                                                                                                                                                                                                                                                              
Refiro-me aos GRANDES problemas.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    
Aqueles que no nosso sentir são devastadores e para os quais o nosso reportório de soluções não serve. Aqueles que nos põem em causa no mais fundo do nosso ser. Os que exigem que nós mudemos sem saber como nem para onde. Os que não ficam aliviados com os conselhos dos outros. Os que não nos deixam rir, dormir, ou comer. Os que nos atingem na nossa pulsão de sobrevivência. Ou os que não dependem de nós para serem resolvidos.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           Destacam-se as circunstâncias ou os recursos (individuais e colectivos)? Somos capazes de nos resolver? Até que ponto é que as pessoas se auto determinam ou são determinadas?                                                                                                                                                                       Este debate pode parecer estéril (uma história semelhante à do ovo e da galinha tentando saber quem nasceu primeiro) mas tem feito correr investigações em muitos campos das ciências ditas sociais. Investigações inconclusivas, como a ciência pode ser.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            
Sem maiores debates filosóficos, dou de barato a existência da Alma. Entendendo por Alma uma espécie de ânimo, de energia vital que nos habita e que talvez possa deixar de nos habitar. Por uns tempos ou definitivamente – e digo isto sem a menor ideia do que lhe acontece ou de para onde vai quando nos abandona. No meio desta história veio-me à cabeça (nem sei porquê) uma frase atribuída a uma senhora do jet-set nacional que diz que ‘estar vivo não é o contrário de estar morto’. Não sendo admiradora do género, nem particularmente da senhora em causa, acho piada à fonte e não posso estar mais de acordo.                                                                                                                                                                                                                                                              
Acredito que pode haver estados emocionais intermédios de quase vivo ou de morto-vivo. E, se na verdade nada sei sobre a morte, não sou especialista de saúde (nem de doenças), nem quero encaminhar esta crónica para campos esotéricos, arrisco defender que existem estados de alma que reduzem por assim dizer a nossa ‘vivência’. Estamos vivos, mas pouco.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    
Sei que, ao longo da minha vida, já experienciei a noite escura da alma. Já me perdi de mim, já perdi o foco, já fiquei ‘sem saber’ e ‘sem poder’, já fiquei mortificada por dentro. Eu, a Clara, o Antero, a Paula e tantos mais. Para uns será apenas uma travessia. Para outros pode ser um habitat.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      
A Clara é um furacão. Uma mulher com enormes capacidades, empresária, tem projectos, família e amigos. Está habituada a ter controlo de tudo mas perde o controlo de si com alguma frequência. Precisa muito do reforço e do reconhecimento dos outros. Toma medicação psiquiátrica para controlar a raiva e aguentar o ritmo e as contrariedades. Talvez a dor maior (admitindo que a dor tem escala) seja pela frustração, pela culpa, pela impotência de se entender com ela e com quem ama. A vida aceleradíssima não lhe chega. Ocupa-a e na verdade salva-a de males maiores mas não a salva do vazio. Passa a semana a trabalhar em horários impossíveis e aos fins-de-semana faz cozinhados alquímicos que ninguém aprecia. Clara não descontrai. Qualquer falta de atenção pode ser fatal.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                
Antero é um homem errado. Deu tudo errado na sua vida. Entre um copo e outro, sente que a vida lhe deve, que foi injusta consigo. Cortou laços com a família, tem companheiros de circunstância, trabalha às vezes, come quando pode e nem sempre tem tecto. Quando tem dinheiro faz festa. À sua maneira. Não faz grande análise da vida, nem para trás nem para a frente. Só tem um dia de cada vez. Tem algumas qualidades e uma porção de características que lhe têm dificultado a vida. Na verdade também não tem vocação para malandro. Apesar dos treinos. Pode ser que o seu talento seja sobreviver, manter-se à tona, vaguear na vida.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                
Paula é uma mulher bem-nascida. Trabalha numa ONG, dedica-se a causas sociais e a pessoas pobres com muitos problemas. É uma gestora social. Muito atarefada e reconhecida. Ninguém diria que dentro dela moram muitas dores. Umas mais profundas, outras mais recentes e outras mais incandescentes. Também moram alguns mortos. Gente que ela ama e lhe faz falta. E vivos. Gente que ela não pode cuidar e amar como gostaria. É amiga sem amigos. Paula tem uma expressão dura, de um sofrimento que disfarça mal. Um olhar gelado de solidão. No dia-a-dia gosta de acção, de estar sempre disponível, de ajudar os outros. Raramente fala de si e não tem confidentes. Em muitas noites mal dormidas, só com a verdade por companhia pergunta-se o que fez para merecer tamanha dor? E não consegue ter paz. A dor não se conta.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    
Termino com a história das Ostras como metáfora da resiliência[i]Alguns destes moluscos, em determinadas circunstâncias fabricam preciosas pérolas em reacção contra invasores externos que podem ser apenas grãos de areiaUtilizam um mecanismo de defesa que, num tempo longo (cerca de 3 anos) neutraliza a agressão e, camada após camada, forma a única gema de origem animal - a pérola.                                                                                                                                         
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                Isabel Passarinho

___________________________


[i] Capacidade de lidar com os problemas, resistir e superar as adversidades.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Na Asas da Poesia - Em que planeta vivemos?

Em que planeta vivemos?
E que espécie somos nós?
Muito há que não entendemos
E eu pergunto: "Como podemos
Fazer algo tão atroz?"

Não respeitamos a vida
Já não respeitamos nada
O que virá de seguida?
Com tanta alma perdida
Virá nova trovoada.

Já não temos salvação
Mas podíamos tentar
Antes da destruição
Usar nosso coração
E não mais fazer que amar.

Nesta selva que é o mundo
Vemos muitos a morrer
Entram num sono profundo
Mas é quem mata, no fundo,
Que devia perecer.

Enquanto bondade houver
A maldade há-de existir
Por mais triste que possa ser
Na Terra será bom viver
Quando o Homem se extinguir.


Marco Gago

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

TAG: De tudo um pouco

Olá a todos!

Diz por aí que “Uma TAG por ano e o espaço fica bacano” e nós decidimos acreditar, só porque sim. Desta feita, depois do Liebster Award do ano passado fomos nomeados para a TAG “De tudo um pouco” pela Ana Silva do blog Consciência Viva, a quem agradecemos pela nomeação.

Florzinhas da TAG porque somos gente muito florida.
Regras da TAG:
- Responder a todas as perguntas;
- Indicar no mínimo 11 blogs com menos de 500 seguidores;
- Colocar o selo da TAG;
- Colocar o link de quem indicou. 


Esta TAG, tal como o ano passado, contou com a colaboração de vários membros da equipa do Opina, e revelou coisas interessantíssimas, a ver:


1) Qual é o teu estilo de música favorito?

Egídio Desidério: O estilo daquela muita fixe; tu tu ru tu tu tu… tu

Isabel Passarinho: Musica Portuguesa, Jass, Bossa Nova, Reggae, Chill out.

Marco Gago: Eu não tenho um estilo de música preferido. Eu ouço músicas de todos os estilos, depende muito do estado de espírito.

Nuno Soares: Rock e Folk.

Paulo D. de Sousa: Rock N´Roll


2) Qual é a tua peça de roupa preferida?

Egídio Desidério:
Suspensórios.

Isabel Passarinho: A que me fica bem, como uma segunda pele. Por exemplo um corta-vento nude que adoro.

Marco Gago: Honestamente, nenhuma. Não há uma peça de roupa que eu possa dizer que goste mais do que qualquer outra.

Nuno Soares: Peúgas.

Paulo D. de Sousa: Calças de bombazine.


3) Qual é o teu calçado favorito?

Egídio Desidério: Sapatilhas, das de ballet mesmo.

Isabel Passarinho: Confortável. Por exemplo uns ténis de um azul indefinido que eu amo.

Marco Gago: No Verão, quando posso, nenhum mas, para calçar alguma coisa, escolho sapatilhas [ou ténis (sei que não é consensual por isso escolham o nome que preferirem)].

Nuno Soares: Chinelos no Algarve, ténis no resto do mundo.

Paulo D. de Sousa: Sapatilhas adidas


4) Camisa ou camisola? Calças ou calções?


Egídio Desidério: Camisa de peito aberto e calças.

Isabel Passarinho: Tem dias. Por maioria, camisola e calças.

Marco Gago: Camisola e calções, são mais confortáveis.

Nuno Soares: Camisola e calções, se o tempo permitir. 

Paulo D. de Sousa: Camisa e calções


5) Cabelo estiloso ou tradicional? Liso ou encaracolado?

Egídio Desidério: Todo rapado. Estiloso.

Isabel Passarinho: A matéria-prima não permite muitas brincadeiras. Estiloso. Liso.

Marco Gago: Tradicional e, tal como o meu, encaracolado.

Nuno Soares: Curto. Liso.  

Paulo D. de Sousa: Tradicional encaracolado


6) Brigadeiro ou gelado?

Egídio Desidério: Marcha tudo.

Isabel Passarinho: Gelado. Da Santini.

Marco Gago: Para mim, tudo o que é doce é bom mas aqui talvez opte pelo gelado.

Nuno Soares: Bastante frio.  

Paulo D. de Sousa: Gelado.


7) Doce ou Salgado?

Egídio Desidério: Sou doce.

Isabel Passarinho: Depende. Doce.

Marco Gago: Doce, sem dúvida.

Nuno Soares: Umami.    

Paulo D. de Sousa: Doce.


8) Como defines o teu estilo?

Egídio Desidério: Espetacular, fantástico, incrível e estonteantemente formidável.

Isabel Passarinho: Nem sei se tenho estilo. Visto-me segundo os humores. Gosto de combinar e personalizar. Às vezes hippy chic, às vezes retro. Se tivesse dinheiro vestia Ana Salazar.

Marco Gago: Não defino, eu não gosto muito de falar sobre mim. Apenas digo que não gosto de estar no centro das atenções.

Nuno Soares: Estiloso.   

Paulo D. de Sousa: Reservado.


9) És do tipo de pessoa que consome bastante ou que só compra o básico?


Egídio Desidério: Consumir?! Nem bastante nem pouco que diz que isso mata. Bebo água.

Isabel Passarinho: Sou controlada. Compro o básico. De vez em quando asneiro, mas pouco.

Marco Gago: Eu não sou muito consumista. Admito que sou um bocadinho forreta.

Nuno Soares: Consumismo desenfreado não é, de todo, algo que me defina. Compro o básico.   

Paulo D. de Sousa: Compro o básico.


10) Consideras-te vaidosa?

Egídio Desidério: Uma louca!

Isabel Passarinho: Sim. Mas de uma espécie particular.

Marco Gago: Não. Eu sou apenas uma pessoa que é, ao mesmo tempo, igual e diferente de todas as outras.

Nuno Soares: Faço um esforço para não ser vaidosa.

Paulo D. de Sousa: Sim.


E com as nossas vaidosas nos ficamos, mas não sem antes desejar aos nossos leitores, à Ana Silva, do blog Consciência Viva que nos nomeou, e aos blogs que nomeamos para esta TAG, um feliz natal, sem gripe, ébola ou doenças venéreas e um 2016 profícuo em saúde, dinheiro e descendentes.


Os blogs nomeados para a TAG “De tudo um pouco” do Opina, são:

Ecológica, quem? Eu? - http://ecologicaquem.blogspot.pt/
Quebra do Silêncio - http://grito-silenciado.blogspot.pt/
Sabores da Minha Cozinha - http://saboresdaminhacozinha.blogs.sapo.pt/
Maria das Palavras - http://www.mariadaspalavras.com/
Man on the Moon - http://stipe07.blogs.sapo.pt/


Opina

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Contrabando

Título – Contrabando
Autora – Conceição Gonçalves
Editora – Obnósis Editora
Data de edição – 2013

“Contrabando” é o livro de estreia de Conceição Gonçalves, publicado sobre a alçada da Obnósis Editora.

Este “Contrabando”, que não é tráfico, é um livro de histórias, quase em jeito de biografia, sem o ser. É antes, um conjunto de partilhas feitas pela autora, na 1ª pessoa, de momentos marcantes da sua vida, uns reais, outros sonhados, mas todos com uma emotividade, ligeireza e com algumas notas de humor, que cunham a escrita desta obra.



Entre estas partilhas, travamos conhecimento com a infância de Conceição Gonçalves, em Trás-os-Montes, como orgulhosamente nos relata, o seu ambiente familiar e os seus modelos, algumas das suas viagens à América Central e do Sul, uma experiência, no mínimo intensa, em Angola, corria o ano de graça de 1974, meses após a revolução de Abril, conhecemos o seu outro “eu”, que viveu há 2500 anos nas imediações de Marraquexe, entre tantas outras histórias, que deixo como surpresa para quem ler o livro.

De escrita simples, quase falada, Conceição abre-nos o seu mundo e o que lhe vai na alma, deixando fluir memórias, emoções e imaginação, como uma torrente tumultuosa, fresca e vivida, muito patente na recriação dos cenários, dos personagens e das suas interações, que poderão cativar o leitor pela sua verosimilhança a situações que, terá vivido, testemunhado ou, quiçá, até sonhado, sejam elas um cenário idílico na Guatemala, no Brasil ou em Marrocos, seja Angola no período de transição entre a guerra colonial e a guerra civil, seja uma história do dia-a-dia, não tão diferente de outras que ouvimos ou conhecemos, mas contada e escrita num livro.

Acima de tudo, “Contrabando” revela uma libertação através da escrita, transformada numa viagem em que a autora se dá a conhecer aos leitores, a sua vivência, a sua maneira de pensar, a sua maneira de agir. Um livro que, neste propósito, se enquadra bem com a primeira obra de um autor, quase uma obra de apresentação.



Vivido, emotivo quanto baste, e interessante quer pelas experiências descritas, quer pelo estilo de escrita, muito pessoal e informal, “Contrabando” proporciona uma leitura aprazível e simples, apesar de não ter um fio condutor que faça dele um livro com uma história (a não ser a própria história da autora, o que já não é pouco), mas sim, um conjunto de histórias e situações, não obrigatoriamente relacionadas entre si, sendo muitas vezes, o único ponto de contacto entre elas, a própria autora e os seus “eus”.

Um interessante livro de partilha de experiências pessoais.

Classificação:




.

Nuno Soares

sábado, 28 de novembro de 2015

Pó na Fita - Do The Right Thing (1989)

Para combater o inverno que se aproxima, um tórrido filme de verão. 


Qual graffiti numa parede, a vida de um bairro afro-americano é-nos apresentada num colorido confronto de nuances ideológicas.

Mookie, o pizza boy, é o pivot desta tragicomédia, onde várias sketches se vão entrecruzando. Temos imagens tão clássicas que vos farão sorrir (aos saudosistas dos anos 80/90), o puto com o mega rádio ao ombro, os velhos do restelo, o eterno revoltado contra o mundo, o maluquinho lá do bairro, a loja dos chineses, a pizaria da esquina. Estas figuras vão se confrontando ao longo dos dias quentes no bairro de Nova Iorque, aquecendo as suas diferenças em lume brando numa panela de pressão (ou num forno de pizza)…Impossível de tomar partidos, conseguimos identificar o único vilão, o preconceito, aquele que nos recusamos a admitir que existe e sempre existirá se não o conseguirmos calar dentro de cada um de nós.

“Do The Right Thing” é o mergulho no final dos anos 80 e princípio dos 90. A linguagem, a música (https://www.youtube.com/watch?v=mcbFJAcuomI) e a caracterização marcam uma montagem inspirada no ritmo de um beat de rap, ora mais ao osso, ora mais divertido. Spike Lee dirige-se a si próprio e a uma liga de atores de primeira (divirtam-se a ver os atores nas seus “eus” mais jovens), que numa forma um pouco caricatural nos fazem andar como um integrante membro deste escaldante bairro. A película está assente na dicotomia das diferentes abordagens de Malcom X (violência como auto-defesa) e Martin Luther King (dar a outra face), uma verdadeira aplicação quotidiana das suas visões. E de facto, qual a coisa certa a fazer?




Rafael Nascimento

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Facebook e a manipulação dos media

Hoje estamos de regresso após duas semanas de ausência forçada das comunidades em que nos inserimos no Facebook.

É verdade, o Opina viu temporariamente bloqueada a sua capacidade de divulgação por parte do facebook, dias depois de ter divulgado a petição da PALP (Plataforma Algarve Livre de Petróleo), contra a exploração de petróleo em Portugal.



Num mundo de comunicações globalizadas, em que, como nunca, é possível fazer passar uma mensagem por milhares, senão milhões, de pessoas num curto espaço de tempo, torna-se importante, a nosso ver, a ambição de fornecer informação de qualidade, baseada em argumentação confiável e verificável, sem espaço para sensacionalismos, desinformações e fraudes que, infelizmente minam os meios de comunicação social (Facebook entre eles) com o objectivo de, ao invés de educar e informar, estupidificar as massas e gerar confusão, ruído e descrença.

Fiel aos seus propósitos, a linha editorial do Opina prima pela divulgação de conteúdos culturais e de cidadania, de maneira correcta, séria e honesta, sem recurso a spam, phishing, comportamento ou linguagem ofensiva ou desrespeitosa, nudez, incentivo ao ódio ou à violência, conteúdo gráfico ou violento, automutilação, bullying ou assédio, qualquer tipo de actividade criminosa, exploração ou violência sexual ou venda ilegal de bens regulamentados, respeitando os padrões de comunidade do Facebook e os mais basilares pressupostos de convivência em comunidade.

Apesar disso, o Opina – Espaço de Divulgação Cultural, viu bloqueados as suas funcionalidades de partilha de conteúdos, sem justificação ou motivo apresentado para a acção tomada, e sem qualquer tipo de resposta à reclamação endereçada no seguimento de tal bloqueio.

Enquanto instituição que utiliza o Facebook enquanto meio de divulgação de conteúdos culturais e de cidadania, preocupa-nos que uma plataforma que preza “a partilha de informação como forma de tornar o mundo mais aberto e ligado” use de modo arbitrário as sanções à sua disposição para limitar quem trabalha para o mesmo fim, assim como estranhamos que tal acção tenha ocorrido dias depois da publicação de um artigo de relevância económica e política, neste caso, de apoio a uma petição (que entretanto chegou à Assembleia da República), contra a exploração de petróleo na costa Portuguesa.



Assim, e em jeito de conclusão, apelamos a que o Facebook reveja os critérios (ou a aplicação dos mesmos) pelos quais regulamenta o fluxo de informação na sua rede; ao espírito crítico dos cidadãos que consomem, comentam e partilham informação, pois nestes recai a possibilidade de, através da sua exigência para com a qualidade e rigor informativo, melhorar os padrões da informação fornecida nos meios de comunicação social; e a que se partilhe este apelo como garante que, este e outros espaços de divulgação informativa de qualidade, que trabalham para tornar a rede global a que chamamos internet, um local mais amplo, mais rico em conteúdos culturais e de cidadania, não sejam alvo de sanções que, segundo os padrões de comunidade do Facebook, não lhes deviam ser aplicados.

A todos os que nos lêem e divulgam o nosso muito obrigado!


Nuno Soares

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Porque nem todos os ursos são pardos

Ontem saía do trabalho, nos arredores de Londres, pouco depois da uma da manhã e, não tinha ainda andado 20 metros em direção a casa, depois de me despedir dos colegas que comigo trabalham, e eis que me deparo com um homem, jovem, na casa dos 20, munido de considerável pilosidade facial e usando um taqiyah (chapéu redondo de uso comum nas comunidades muçulmanas) que fazia a mesma rua que eu mas no sentido inverso. Consigo trazia um cartaz que, ao me ver, levantou. Tinha escrito:

“I am a muslim, I’ve been told I’m a terrorist. I trust you. Do you trust me enough to give me a hug?” (Eu sou muçulmano. Foi-me dito que sou um terrorista. Eu confio em ti. Confias em mim o suficiente para me dares um abraço?)

Fig. 1: Taqiyah

Sendo eu uma pessoa de natureza afável, e até um bocado patego, de sorriso na cara saiu-me: “Oh! But of course, man.” E abracei-o. Abracei-o com força. E 2 coisas inesperadas aconteceram. A primeira foi que ele não rebentou, coisa que às vezes acontece a quem dou abraços, porque eu aperto para aleijar, e a segunda é que a conhecida bactéria da peçonha que, como toda a gente sabe, os muçulmanos têm e que transforma até as pessoas mais moderadazinhas em radicais com desejos de sangue e violência não me atacou da maneira como eu vejo nas notícias, políticos, comentadores, e transeuntes dizerem que ataca e que o melhor é fechar fronteiras e plantar muitas árvores entre “nós” e “eles” para o ar ficar bem filtradinho de maneira a não haver cá trocas de oxigénio entre os pulmões do pessoal. Durante dois ou três segundos ainda me deu para a maluqueira e veio-me à cabeça “aaah isto agora era ir que nem um maluco… dormir, dormir que já é tarde e eu estou cansado”, e foi isto.

Trocámos breves palavras, teremos falado no máximo minuto, minuto e meio, no qual lhe disse o quão importante era o que ele estava a fazer para construir uma sociedade em que pessoas de qualquer religião ou sem religião alguma, possam viver juntas, como vizinhos, como colegas, como amigos, como familiares, sem medo da diferença e sem preconceito pelo outro. Agradeci-lhe e desejei-lhe boa sorte.

Ele agradeceu, comovido.

Segui o meu caminho e já em casa, após uma breve pesquisa na internet fiquei a saber que o que aquele rapaz estava a fazer não era único e que tinha sido inicialmente feito, tanto quanto consegui descobrir, em Toronto, no Canadá, onde um grupo de muçulmanos organizou uma acção de sensibilização para explicar a diferença entre o islão e idiotas (eu sei que é difícil, começam ambas por “i”) que usam esta religião como desculpa para encherem os bolsos de dinheiro, para exercerem o poder das armas indiscriminadamente sobre quem conseguem subjugar e para viverem como querem, sem estarem sujeitos a qualquer lei ou regra que não as do grupo que representam, bandidos portanto.

Para concluir, e em jeito de partilha, deixo-vos o vídeo da acção de sensibilização em Toronto que está a inspirar outras em vários pontos do mundo, inclusive, parece, em Londres. 



Nuno Soares

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Muthure's Place - Depression

She tells me she’s depressed. 
She says life is a waste of time. 
She cries to me with tears in her eyes about the injustice of it all. 
She talks about her Struggle 
Her Fight 
Her… Demon. 
The one that has no horns 
No tail 
And is not red. 
He’s fly… with that effect. 
You know, the one that gets you high? 
Not the I-seriously-can’t-see-anything-clearly high, 
More like the Oh-my-goodness-I-never-thought-I-could-see-such-beauty-without-my-eyes high. 
He’s not the If-at-first-you-don’t-succeed-brush-yourself-off-and-try-again type of guy. 
More like the I’m-so-damn-smooth-and-I-know-you-know-it-so-why-pretend-you-don’t-love-it-ma? type. 
Lauryn’s Mr. Intentional 
The sweet-talking, confident-walking, not-into-stalking UNLESS he’s on the receiving end guy. 
That devil-on-your-shoulder-with-that-deep-voice-to-die-for-telling-you-to-just-eat-that-chocolate-only-just-after-you’ve-resolve-to-lose-those-hips 
Then-complain-about-your-‘60-kg-ass’-when-you-tell-him-you-can’t-fit-into-that-little-dress-he-likes-when-he-asks-why-you-aren’t-wearing-it. 
That demon. 

She says she’s depressed and doesn’t know why. 
She tells me she’s possessed 
By a demon 
That knows nothing and at the same time everything about her. 
A demon 
So small it could pass unnoticed if you didn’t know it existed 
But large enough to block out the sunlight filtering through the windows to her soul. 



She tells me she’s cold inside 
But that she’s got the hots for the Demon. 
She says she thinks the Demon is taking over her brain, 
Making her one of those cannot-be-seen-dead-in-one-of-those-sweaters ladies 
Or worse still, she says, one of those my-tiny-tiny-clothes-just-happen-to-have-a-higher-IQ-than-my-even-more-mini-brain type women. 
She says she doesn’t like it. 
She tells me she wants the Demon exorcised 
And says she’s heard about a good priest 
That doesn’t charge too much for that kind of thing, you know? 
Problem is; 
Apparently her Demon goes to church. 

She tells me she’s depressed 
And I tell her to shut it.

Joy Muthure